MD Codes

Com o avanço da idade, a face tende a perder gordura e colágeno, e, associado à ação da gravidade, passamos a apresentar a “queda” de algumas estruturas da face, que passa a se apresentar mais flácida. Sendo assim, surgem algumas alterações faciais, responsáveis pelo aspecto mais cansado e/ou envelhecido, que levam o paciente a buscar atendimento médico. As principais queixas são as olheiras, o “bigode chinês” e as marcas tipo “marionete” nos cantos da boca, além de rugas mais profundas, lábios mais finos e pouca definição da mandíbula. O cirurgião plástico Mauricio de Maio codificou a face em vários pontos (MD Codes) de modo a uniformizar a abordagem à face do paciente que busca o consultório do cirurgião plástico ou dermatologista visando o rejuvenescimento facial. A palavra-chave nessa uniformização é ESTRUTURAÇÃO. Com os MD Codes, passamos a focar na causa das queixas trazidas pelo paciente, não somente na queixa em si, e assim, devolvendo estrutura e volume à face, perdidos com a idade e/ou perda de peso, corrigimos de maneira mais adequada a queixa referida. Além disso, o ácido hialurônico “puxa” água para o tecido no qual ele é aplicado, hidratando-o, também estimulando a produção de colágeno local. Desta maneira, tornamos o procedimento mais duradouro e de resultados mais satisfatórios.

Como é feito o procedimento?

De acordo com a queixa do paciente, faz-se uma análise facial detalhada, observando os locais de perda maior de volume, assim como as assimetrias. Assim, traça-se um plano de tratamento, utilizando ácidos hialurônicos de diferentes densidades (fino, intermediário e espesso), a depender da área a ser aplicada, o que é explicado ao paciente. Caso o paciente deseje, pode-se realizar o volume total dos preenchimentos do plano proposto em dias diferentes, amenizando o edema após as aplicações e também facilitando o plano financeiro do paciente. As principais áreas abordadas são as regiões malares (maçãs do rosto), olheiras, sulco nasogeniano (bigode chinês), mandíbula e mento (queixo), podendo ser abordadas também os lábios e as áreas em volta dos olhos e das sobrancelhas. Utilizamos principalmente anestesia tópica, com pomada anestésica e gelo, sendo também utilizada anestesia local nos locais tratados com cânulas, como olheiras, sulco nasogeniano e lábios, regiões muito vascularizadas, que são mais seguramente abordadas com o uso de instrumentos rombos, isto é, sem ponta cortante.

Cuidados pós-procedimento

É comum as áreas abordadas ficarem doloridas no dia seguinte ao preenchimento, o que é facilmente resolvido com a administração de analgésicos orais e gelo, de acordo com a orientação. É possível ainda a formação de equimoses (manchas roxas), o que pode ser diminuído com o uso de compressas geladas logo após o procedimento; caso ainda assim se formem, não se esqueça de aplicar protetor solar ao sair de casa. A exposição solar não é recomendada pelo menos na primeira semana a fim de não haver piora do edema normal do procedimento, além de poder marcar definitivamente a pele com manchas nas regiões com equimoses. IMPORTANTE: Siga estritamente as orientações de seu médico, que deve ser cirurgião plástico ou dermatologista. Tire todas as suas dúvidas antes da realização do procedimento e não hesite em entrar em contato no caso de quaisquer complicações após o procedimento. Lembre-se que você deve colocar a sua segurança em primeiro lugar!